Confissões de um sedentário: como encontrar motivação para manter uma atividade física?

Em tempos de quarentena, tem sido fundamental buscar inspiração para realizar exercícios e aproveitar as poucas saídas de casa
E aí, já encontrou a tal da Endorfina? (Pexel)
Share

Já ouvi de fãs de corrida que existe uma “substância mágica” que torna a atividade física quase viciante, a tal da endorfina. Bem, após semanas caminhando e fazendo pequenas ‘corridas’ ainda estou procurando a dita cuja… Vez ou outra até surge uma sensação de satisfação de conseguir marcar um tempo mais baixo ou completar alguma meta, mas confesso que até hoje não posso dizer que fui apresentado para essa entidade misteriosa.

Como um sedentário convicto, ainda vejo os exercícios aeróbicos como uma tortura, mas tenho de admitir que na Inglaterra, com seu clima mais frio, esse tipo de atividade costuma ser menos desgastante que no Brasil e sua umidade e temperaturas elevadas. Renata e eu temos aproveitado o “lockdown” no Reino Unido para sair por 45 minutos a cada dois dias a fim de espairecer e colocar o corpo em movimento.

Foi então que me deparei com um artigo do cirurgião vascular Dr. Gustavo Solano, que é também triatleta, o que reforça a confiança no que diz. Ele elenca algumas dicas sobre exercícios físicos, que ajudam a regular o metabolismo e, de quebra, evitar doenças – e hoje mais do que nunca isso é vital. Comento a seguir as sugestões do médico:

– Escolha uma atividade que te dê prazer: não adianta ir para academia ou praticar qualquer atividade contra a própria vontade. A dica é buscar exercícios que proporcionem algum prazer. O leque de opções é grande, indo de caminhadas regulares a esportes de maior impacto, como futebol, corrida, natação, entre outros. Correr ou pedalar com um visual bacana e ouvindo uma boa música também pode ser prazeroso.

Concordo em gênero e grau, mas o difícil é achar algo que dê prazer! No meu caso, por exemplo, passo longe de academias e mesmo de utilizar esteiras ou bicicletas – se é para gastar energia que seja curtindo o exterior, mas óbvio que isso não é possível para todos. Aqui nesse aspecto não há do que reclamar. O subúrbio em que vivemos, a 24 km do centro, é de uma paz incrível e uma arborização invejável.

– Convide um familiar ou amigo: praticar exercícios na companhia de alguém é sempre mais agradável. Ter um amigo ou familiar pode te incentivar quando sentir preguiça. Fazer parte de uma assessoria esportiva aumentará ainda mais seu círculo de amigos.

Nesse aspecto estou bem acompanhado. A Renata é sempre disposta a encarar esses exercícios, bem diferente de mim. E sair em dupla ou mais pessoas é sempre mais bacana e divertido, pena que nem todo mundo tem disponibilidade. Até semana passada, o governo britânico proibia que você corresse com algum amigo ou vizinho, mas felizmente essa regra foi revista.

Segundo o Dr. Gustavo Solano, o melhor caminho é escolher uma atividade que lhe dá prazer (Anna Langova)

– Invista em acessórios para ajudar nas atividades físicas: outra forma de motivação é ter acessórios apropriados para a prática de exercícios. Pode ser um tênis adequado para correr, vestuário esportivo ou algo mais específico, como meias de compressão graduada para prática de atividades físicas. Os acessórios evitam que o desgaste do corpo impeça a continuidade da prática esportiva.

Está aí algo que a gente ainda engatinha. Usamos bons tênis e também acompanhamos nosso desempenho por aplicativos, eu no Adidas Running e a Renata em outro da Nike. Sobre as meias de compressão, confesso que desconhecia.

– Controle a alimentação: é fundamental controlar a alimentação e investir em alimentos saudáveis, principalmente à noite. Alimentos gordurosos e calóricos devem ser evitados, porém, se o consumo existir, deve acontecer nas primeiras refeições do dia, quando o corpo ainda terá tempo para queimar essas calorias.

Vixe, aí a coisa complicou. O pós-corrida aqui é um tormento, vem uma fome de comer hamburguer com batatas fritas às 10 horas da manhã! Mas o jeito é atacar nas frutas ou às vezes um ovo mexido até a hora do almoço. Nessas horas só resta a gente conversar com o corpo e mandá-lo gastar nossas “reservas naturais” na cintura…

– Estabeleça metas e recompensas: a adaptação do organismo aos exercícios deve ser gradativa. Não adianta pensar que, repentinamente, uma pessoa sedentária irá cinco vezes por semana à academia ou correr 30 Km em uma semana. Forçar o corpo a isso vai gerar estresse e poderá causar lesões, aumentando a chance de abandono da atividade. As metas precisam ser graduais. Por exemplo, no primeiro mês, se exercitar ao menos duas vezes por semana. No segundo mês, três vezes, e assim por diante, até que se estabeleça uma rotina regular de exercícios. Se você é praticante de corrida, natação ou ciclismo inscreva-se em uma prova curta e procure uma assessoria para te ajudar a manter o estímulo à prática esportiva.

Muito bacana essa dica. É o que estamos tentando fazer, aos poucos aumentar a dificuldade dos exercícios, mas talvez seja o grande desafio para um sedentário, afinal a qualquer desanimada ou quebra na rotina, voltamos a andar para trás, literalmente. Nessas horas temos maneirado até voltar a um ritmo melhor. E sonhando que o fim da quarentena não leve nossa disposição para os exercícios também!

Avatar

Jornalista do setor automotivo desde 2001, tenta ajudar no que pode no dia a dia dos filhos, apesar de já ter até derretido mamadeira esquecida na panela. Publisher dos sites Autoo, Airway e MetrôCPTM.

You may also like...